top of page

Dados Abertos


O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) concluiu o cadastro de 56.372 pessoas privadas de liberdade no Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP 2.0), sistema criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para monitorar, em tempo real, as ordens de prisão emitidas pelo judiciário e o seu cumprimento em todo o território nacional. 


  • 54,1 mil são homens

  • 2,2 mil, mulheres







De acordo com o anuário da entidade, divulgado em 2022, havia 442.033 negros encarcerados no país, ou 68,2% do total das pessoas presas – o maior percentual já registrado. Em 2021, essa proporção era de 67,5%.



Observa-se que, entre os reclusos:


  •  20% são analfabetos.


  • 30% possui o ensino fundamental incompleto.

  • 15% possui o ensino fundamental completo.

  • 25% possuem ensino médio completo


  • 10% ensino superior completo




  • Mais de 52% são provisórios

  • 24% são condenados

  • 23% estão em execução provisória

Comentários


bottom of page